Capítulo 3

Encostaram os nós dos dedos à porta e entreolharam-se os quatro, na expectativa de ver quem daria início à próxima etapa. A respiração ofegante não abrandava: atravessar a ponte movediça não tinha sido fácil e o medo do que agora os esperava ressentia-se no ritmo do coração.

Mas não foi preciso bater. Uma voz surgiu do outro lado:

– Sejam bem-vindos. A porta está aberta.

Entraram. Tudo como tinham imaginado. Iam finalmente conhecê-la e saber o que estava escrito no Grande Livro das Cores.