Capítulo 2

O senhor continuava a insistir que naquela poção a que chamava mágica estava a resolução de todos os problemas do menino Custódio.

– Eu sou uma criança! As crianças não têm problemas – explicava o menino.

– As crianças não têm problemas? Ora essa! Pensas que eu não sei que há dias em que passas fome, que tens de carregar as malas dos senhores ricos e que por vezes choras no silêncio do teu quarto porque a tua mãe está doente? És o único dos irmãos que ainda não foi à escola e…

– Pronto, pronto, pronto… Já chega! – interrompeu o menino Custódio em voz baixa, enquanto levantava a mão e olhava para os lados.