Capítulo 4

“Será que resulta? E ainda vou ter muito trabalho pela frente…” pensava, preocupado. “Nos próximos tempos não vou poder engraxar sapatos.”Custódio não se sentia bem. Roubara as moedas da gaveta das poupanças, que a mãe fazia sempre questão de dizer que era intocável. Entregara tudo ao senhor da cartola. Mas isso seria o menos. O pior era a promessa que Custódio fizera àquele senhor que não conhecia e que, pressentia, podia não passar de um pantomineiro.    

(Continua na quinta-feira, 30 de Abril)